Ver Angola

Cultura

“Faz Escuro nos Olhos”: encenador angolano apresenta peça de teatro em Lisboa

O encenador angolano Rogério de Carvalho apresenta em Portugal a peça “Faz Escuro nos Olhos”, no próximo dia 26 de Março, pelas 21h30 no Fórum Lisboa. O espectáculo integra a programação de debates temáticos “Erradicação da Violência Contra as Mulheres” e “Demografia e Migrações em Lisboa”, promovidos pela Assembleia Municipal de Lisboa.

:

“Faz Escuro nos Olhos” é um espectáculo composto por textos de diversos autores, como Sergi Belbel, Sigmund Freud, Virginia Woolf ou Howard Barker. Apresenta-se ao público como um aglomerado de histórias independentes ligadas pela mesma tónica: o desequilíbrio das relações humanas, ora assentes no poder ora presas por uma deficiente comunicabilidade, potencial gerador de violência. Numa espécie de dança macabra de palavras à volta do abismo, os textos trespassam a esfera pública para as quatro paredes da intimidade, auscultando as horas de solidão, de terror e de mortes que fulminam a vida conjugal, tantas vezes encobertas, silenciadas pelo medo, pela vergonha, pelo hábito, explica um comunicado remetido ao VerAngola.

Um teatro de quase monólogos que se refere em última instância ao (des)afecto. Não há emoção, compromisso, nem pedaços de textos reveladores, nem um único fragmento feliz, apenas um palco, onde os actores, na frente de quem os assiste, ocupam esse lugar onde o abuso tem muitas caras. O encenador e os actores construíram um espectáculo multiplicador das leituras em torno da mais primária expressão da Humanidade: a violência. Temas universais como Família, Guerra, Velhice, Infância, Pobreza, Dinheiro são transversais nesta criação. O conjunto de quadros que constituem este espectáculo procura uma cadência por detrás dos alvos e dos efeitos desta violência omnipresente, na fronteira entre o ruído e o silêncio.

O Teatro Griot é uma companhia constituída essencialmente por artistas afrodescendentes que se dedica à exploração de temas universais relevantes para a construção da emergente identidade afro-europeia pós-colonial, tendo-se vindo a afirmar como uma frente artística que desenvolve uma linha conceptual, estética e dramatúrgica neste âmbito.