Ver Angola

Política

Delegação parlamentar da UNITA retida à entrada de Cafunfo

Uma delegação do grupo parlamentar da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), que integra cinco deputados, encontra-se retida à entrada de Cafunfo, por não estar a ser autorizada a sua passagem.

:

Em declarações à Lusa, o primeiro secretário do grupo parlamentar de Luanda, Alberto Ngalanela, disse que no controlo policial alegam que não estão autorizados a entrar porque não receberam nenhuma comunicação da administração municipal e que teriam de ter uma autorização da Assembleia Nacional.

"Disseram que há um aglomerado de pessoas no comité da UNITA, em Cafunfo, e que o momento, como é sensível, não se recomenda a presença dos deputados", afirmou Alberto Ngalanela.

O deputado esclareceu que esta é uma missão do grupo parlamentar e, por isso, não carece de autorização da Assembleia Nacional.

Ngalanela acrescentou que o deputado Domingos Oliveira, secretário da UNITA da Lunda Norte, já tinha falado com o comandante provincial da polícia e que este lhe teria dito que poderiam prosseguir o trabalho sem constrangimentos.

"No entanto, estamos aqui [posto de controlo da entrada de Cafunfo] há cerca de duas horas", declarou.

A deslocação da delegação da UNITA ao Cafunfo visou a recolha de informações sobre os acontecimentos de Sábado nesta região rica em recursos minerais que resultou em vários mortos, feridos e detidos.

Segundo a polícia, cerca de 300 pessoas ligadas ao Movimento do Protectorado Português Lunda Tchokwe (MPPLT), que há anos defende a autonomia daquela região tentaram invadir, no Sábado, uma esquadra policial e em defesa as forças de ordem e segurança atingiram mortalmente seis pessoas.

A versão policial é contrariada pelos dirigentes do MPPLT, partidos políticos na oposição e sociedade civil local que falam em mais de uma dezena de mortos.

Com esta missão parlamentar da UNITA está também a activista da sociedade civil Laura Macedo, que também relatou à Lusa esta retenção, pela qual se mostrou indignada.

A autonomia da região das Lundas (Lunda Norte e Lunda Sul, no leste angolano), rica em diamantes, é reivindicada por este movimento que se baseia num Acordo de Protectorado celebrado entre nativos Lunda-Tchokwe e Portugal nos anos 1885 e 1894, que daria ao território um estatuto internacionalmente reconhecido.

Portugal teria ignorado a condição do reino quando negociou a independência de Angola entre 1974/1975 apenas com os movimentos de libertação, segundo o movimento.

Relacionado