Ver Angola

Economia

Standard Bank: reformas e apoio do FMI não salvam Angola da recessão em 2021

O departamento de estudos económicos do Standard Bank considera que as reformas em Angola e o apoio do Fundo Monetário Internacional (FMI) não vão chegar para impedir que a economia continue em recessão este ano.

:

"A nossa perspectiva sobre a evolução de Angola melhorou principalmente devido a uma melhor estimativa de evolução do sector externo, mas Angola não deverá escapar a uma recessão pelo sexto ano consecutivo", dizem os analistas, apontando uma previsão de quebra de 0,45 por cento no Produto Interno Bruto, este ano.

De acordo com o relatório que analisa a evolução em várias economias africanas, enviado aos clientes e a que a Lusa teve acesso, o Standard Bank compara a estimativa de quebra de 0,45 por cento com os 0 por cento de crescimento previstos pelo Governo para este ano e escreve que a contracção de 5,8 por cento no terceiro trimestre de 2020 deverá redundar numa quebra de 5 por cento no total do ano de 2020.

"A esperada melhoria nas exportações, num contexto de recuperação do mercado petrolífero, vai provavelmente ser insuficiente para compensar o impacto negativo da despesa em Angola, num ano em que a pandemia ainda está a causar um aumento do desemprego", acrescentam os analistas.

A elevada inflação de dois dígitos desde Julho de 2015, o alto desemprego de 34 por cento no terceiro trimestre do ano passado e o agravamento da pobreza, que afectava 40,6 por cento da população em 2019, "também não vão contribuir para o aumento da despesa geral no país".

Para além disso, acrescentam, "a despesa pública em 2021 vai continuar limitada pela gestão fiscal prudente para conseguir completar o programa de apoio financeiro do FMI, aprovado em Dezembro de 2018", e que termina no final deste ano.

O cenário base para a evolução da economia de Angola aponta para uma recuperação ligeira em 2022, que será novamente anulada em 2023 "se o investimento directo estrangeiro não aumentar de forma significativa", alertam os analistas, salientando que "as perspectivas de médio prazo para o país continuam fracas devido à maturação dos campos de petróleo, declínio na produção e progresso lento na diversificação económica, agora agravado pelo impacto da pandemia".

O elevado peso da dívida, acima de 100 por cento, "vai provavelmente impedir qualquer resposta orçamental para estimular o crescimento", apontam, concluindo que o apoio do FMI garantiu "um progresso material nas reformas estruturais, o que permitiu uma avaliação positiva e o desembolso de mais 1,5 mil milhões de dólares até final do ano".