Ver Angola

Economia

País registou no ano passado queda acentuada de quase 41 por cento nas receitas de exportação

O país registou em 2020 uma queda “bastante acentuada” de cerca de 41 por cento nas receitas de exportação, comparativamente a 2019, mas aumentou os meses de cobertura de reservas para as importações, anunciou esta Sexta-feira o banco central.

:

O governador do Banco Nacional de Angola (BNA), José de Lima Massano, falava na apresentação das decisões saídas da reunião ordinária do Comité de Política Monetária (CPM), que analisou o comportamento recente dos principais indicadores económicos e decidiu sobre as taxas directoras para influenciar a estabilidade de preços na economia.

"A solvabilidade e estabilidade externa da economia foi assegurada. Reduziu-se o volume de importações, e faço aqui realce aos bens alimentares, em que desde o início do programa à data de hoje, temos uma queda média na ordem de 40 por cento", referiu.

De acordo com José de Lima Massano, em 2020, em relação a 2019, foi registada uma queda perto de 23 por cento de importação de alimentos, que foram substituídos por produção nacional.

"Nós não tivemos situações alarmantes de escassez de produtos e vemos no nosso dia-a-dia, em casa, temos mais produtos nacionais, procuramos mais produtos nacionais. É um dos benefícios que temos, daqueles que estamos a perseguir, mais produtos nacionais significa valorizar mais aquilo que fazemos, mais postos de trabalho, economia mais competitiva", disse.

José de Lima Massano considerou boas as notícias sobre a moeda nacional, que chegou a estar sobrevalorizada em torno de 70 por cento, mas desde finais de Outubro do ano passado até à presente data tem-se mantido estável.

Segundo José de Lima Massano, a sobrevalorização do kwanza causa não apenas uma pressão elevada sobre as reservas internacionais, mas também retirava qualquer sentido à produção nacional, "porque era mais barato importar do que produzir".

O comunicado saído da CPM refere que, no domínio cambial, foi registado o aumento do grau de cobertura das importações de bens e serviços pelas reservas internacionais de 9,3 meses para 12,2 meses, bem como a redução do diferencial entre as taxas de câmbio praticadas nos mercados formal e informal de 22,97 por cento, em 2019, para 14,4 por cento, em 2020.

Foi igualmente eliminada a sobrevalorização artificial do kwanza em relação às moedas dos principais parceiros comerciais de Angola, tendo o hiato da taxa de câmbio real efectiva ficado dentro do equilíbrio, realça igualmente o comunicado.