Angola prepara fim da indexação do kwanza ao dólar

O ministro das Finanças admitiu esta Quarta-feira estar a estudar o fim da indexação do kwanza ao dólar, mas acompanhando de perto a variação da moeda para garantir que não vai flutuar de forma descontrolada.
:
  

"Vamos olhar atentamente para a grande diferença entre a taxa de câmbio oficial e a paralela, e considerar deixar que a moeda flutue, mas isso será feito com um olhar atento para garantir que o kwanza não fique descontrolado", anunciou Archer Mangueira em entrevista publicada esta Quarta-feira pelo The Banker, uma revista do grupo do jornal Financial Times.

Na entrevista, o ministro das Finanças diz que o país tem "carregado um fardo pesado por ter mantido uma taxa fixa face ao dólar desde Abril de 2016", o que originou um enorme desfasamento entre a taxa oficial, de 166 kwanzas por dólar, e os cerca de 430 kwanzas por dólar nas transacções feitas no mercado paralelo.

Para além da flutuação do kwanza, o ministro disse também à revista The Banker que um dos objectivos para este ano é "acelerar a mobilização das receitas", o que envolve, entre outras medidas, "expandir a base de taxação de forma a que não aumente o fardo para os actuais contribuintes", optando por direccionar os esforços para "alguns sectores sub taxados, que incluem as tarifas e as importações e novas formas de impostos sobre a propriedade".

Do lado da despesa, Mangueira salientou o "fim progressivo dos subsídios, incluindo os generosos subsídios na água e energia, o que deverá gerar uma margem orçamental adicional".

Assim, o défice deverá melhorar de 3,4 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017 para 3,2 por cento este ano, ajudado também pela adopção de medidas "para garantir que há um processo de licitação transparente nas obras públicas, usando um mecanismo electrónico para a provisão de bens e serviços para o Governo".

Mais Lidas