Ver Angola

Matérias Primas

Exploração das “Terras Raras” do Huambo deverá arrancar em 2022

O gerente da Ozango Minerais, Edson Paulo Carreiro Nunes, revelou que a exploração das “Terras Raras” do Huambo deverá avançar em 2022. O responsável garantiu que a instalação de equipamentos para explorar os cerca de 23 mil milhões de minério bruto de metal desta reserva, localizada no município do Longonjo, vai avançar no primeiro trimestre do próximo ano.

: Adriane Ohanesian/Reuters
Adriane Ohanesian/Reuters  

Edson Nunes explicou que, nos próximos 14 meses, a empresa vai montar os equipamentos de exploração e que esta avançará em 2022. O responsável fez ainda saber que a exploração deverá prolongar-se por 20 anos.

O responsável, citado pela Angop, admitiu que a exploração destas minas ajudará a estimular a economia nacional e a diminuir os níveis de desemprego, uma vez que o projecto deverá criar postos de trabalho para os jovens daquela região.

"Este município, visto como pacato e o segundo mais pobre da província do Huambo, depois do Mungo, vai encontrar na exploração das terras raras a oportunidade para melhorar a qualidade de vida da população local, com a extracção de minérios como o Neodímio e Plaseodimo, utilizados para o fabrico de motores de veículos eléctricos, turbinas eólicas e dispositivos de telefones", considerou.

Depois da auscultação pública do projecto, para que seja possível obter o certificado de exploração por parte do Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente, é preciso consultar os cidadãos que moram perto daquela zona com o objectivo de avaliar o impacto ambiental do projecto, indicou.

Além disso, estão também em curso negociações com os Caminhos de Ferro de Benguela para que transportem os metais para o Porto do Lobito.

Bonifácio Vissetaca, administrador do município do Longonjo, revelou que a covid-19 veio atrasar o começo da instalação dos equipamentos para que os trabalhos de exploração – que numa primeira fase deverão criar 500 postos de trabalho – conseguissem avançar.

A reserva "Terras Raras" é composta por 17 tipos de minerais raros, entre os quais Neodímio, Lantânio, Preaseodímio, Gadolínio, Samário, Cério, entre outros.

Estes minerais são muito valiosos porque são usados como matéria-prima no fabrico de dispositivos de tecnologia, por causa das suas características. Estas substâncias ajudam a conduzir o calor, electricidade e têm grande capacidade de magnetização, sendo muito utilizados no fabrico de telemóveis, carros híbridos, entre outros.

São também considerados raros porque é difícil de encontrar substâncias deste género na natureza, fazendo justiça ao nome dado à reserva "Terras Raras".

Relacionado