Ver Angola

Cultura

Filme “Ar Condicionado” de Fradique estreia-se no festival de Roterdão

O filme angolano “Ar Condicionado”, de Fradique, vai ter estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Roterdão 2020, que decorrerá de 22 de Janeiro a 2 de Fevereiro.

Cafuxi:

Segundo informação disponível do ‘site’ oficial do festival, “Ar Condicionado” integra a secção Bright Future, dedicada a primeiras longas-metragens.

O filme foi escrito, produzido e rodado em Angola pelo colectivo Geração 80, algo que, para a organização do festival, “prova que o cinema artístico em Angola está ‘vivo e de boa saúde’”.

A história do filme começa “quando os ares-condicionados da cidade de Luanda começaram misteriosamente a cair”. “Matacedo (guarda) e Zezinha (empregada doméstica) têm a missão de recuperar o aparelho do chefe. Essa missão leva-os à loja de materiais elétricos semi-abandonada do Kota Mino, que está a montar em segredo uma complexa máquina de recuperar memórias”, lê-se na sinopse do filme, disponível no ‘site’ do colectivo Geração 80.

Na nota do realizador, disponível no mesmo ‘site’, fica a saber-se que “este filme é dos prédios e todos ‘os transparentes’ que aí trabalham e constroem as suas vidas todos os dias”.

“Matacedo é um segurança de um prédio que se torna um reflexo do nosso estado de inércia e ao mesmo tempo de esperanças nas distopias verticais em que vivemos. Cresci e vivi em diferentes prédios antigos do centro de Luanda. Espero agora que o filme se junte aos ar condicionados caídos e faça parte da memória viva desta cidade”, escreveu Fradique.

“Ar Condicionado”, com música de Aline Frazão, conta no elenco com, entre outros, José Kiteculo, Filomena Manuel, David Caracol, Sacerdote, Tito Spyck e Filipe Pali.

O realizador Fradique, que nasceu em 1986 em Angola, é um dos fundadores do Geração 80.

Antes de “Ar Condicionado”, Fradique, que estudou cinema nos Estados Unidos da América, realizou as curtas-metragens “Kiari” (2007) e “Alabamento” (2010) e o documentário “Independência” (2015), que “parte de memórias da situação colonial em Angola, revela os passos iniciais da luta de libertação e percorre alguns dos seus principais cenários”.