Ver Angola

Política

Paulo Portas visita Luanda em Julho e repete presença na FILDA

O vice-primeiro-ministro português, Paulo Portas, estará na capital angolana a 23 de Julho, no âmbito da Feira Internacional de Luanda (Filda), em que Portugal, com 67 empresas expositoras, voltará a ter a maior representação nacional.

Patricia Melo:

A edição de 2015 da Filda decorre entre 21 e 26 de Julho e segundo informação oficial da delegação da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) em Luanda, o vice-primeiro-ministro português estará presente no pavilhão dos expositores nacionais no dia dedicado ao país, que será a 23.

Paulo Portas repete a presença na maior feira angolana intersectorial, nas actuais funções, depois das visitas de 2012 e de 2014, tendo nesta última ocasião sido recebido em Luanda pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos. "Angola é uma potência africana e o Presidente José Eduardo dos Santos é um dos líderes africanos mais respeitados e mais experimentados", enfatizou o governante português, no final da audiência com o chefe de Estado angolano, a 22 de Julho de 2014.

Em Luanda, o vice-primeiro-ministro português estará acompanhado pelo presidente da AICEP, Miguel Frasquilho, numa altura em que as exportações nacionais para Angola estão em queda (redução de 25 por cento no primeiro trimestre), sobretudo devido à crise económica em Angola, fruto da quebra na cotação internacional do barril de crude.

A feira de Luanda espera quase 1000 expositores, distribuídos por uma área de 50.000 metros quadrados e volta a dedicar um espaço próprio a Portugal, mas cuja representação empresarial desce da cerca de uma centena de 2014 para 67 expositores nesta 32.ª edição. Além de Portugal - com empresas ligadas aos sectores dos serviços, das máquinas, da saúde, da energia, entre outros -, Itália e Alemanha estarão entre os principais países representados no certame.

Nesta edição da Filda, que acontece nos 40 anos da independência angolana, o lema será o "Dinamismo, criatividade e competência na produção", bem como a necessidade da diversificação e industrialização da economia nacional.

Mais de 9000 empresas de Portugal exportam actualmente para Angola e cerca de 2.000, angolanas, são participadas por capital português, segundo dados da AICEP. Depois de vários anos a liderar as importações feitas por Angola, Portugal foi ultrapassado pela China e pela Coreia do Sul como principal fornecedor das importações angolanas, segundo a análise do Instituto Nacional de Estatística (INE) de Angola ao primeiro trimestre de 2015.