TAAG vai modernizar frota com onze aviões da Boeing

A companhia aérea TAAG vai adquirir, em 2019, 11 novos aviões de médio curso, e um número ainda por determinar de Boeing 787, de longo curso, no quadro do programa de modernização da transportadora, disse fonte da empresa.
<a href='http://www.angolaimagebank.com' target='_blank'>Angola Image Bank</a>:
    Angola Image Bank

Segundo Rui Carreira, presidente da Comissão Executiva da companhia aérea, que a 20 deste mês, num decreto presidencial, passou a sociedade anónima, o processo de modernização passa pela "substituição da frota", pelo que as novas aquisições, sobretudo para o médio curso, visam a conquista do mercado africano.

Apesar de não haver ainda rotas definidas, as avaliações do mercado começarão em breve, uma vez que há "bons indicadores", sublinhou Rui Carreira, que não adiantou o valor financeiro em causa.

"Mas não queremos fazer com muita antecedência, porque o mercado é bastante volátil; cresce e retrai-se, pelo que, na devida altura, anunciaremos os novos destinos", indicou, em declarações à agência noticiosa angolana Angop.

Em relação à frota de longo curso, lembrou que, na recente visita aos Estados Unidos, o Presidente, João Lourenço, lançou os dados sobre aquilo que será a renovação da frota da TAAG.

Quarta-feira, em Nova Iorque, João Lourenço anunciou que as autoridades de Luanda estão a negociar um novo pacote para a aquisição de novos aviões da Boeing destinados à TAAG. No entanto, não adiantou o número de aparelhos, nem o valor financeiro em causa, indicando tratar-se de aviões destinados a operações de médio e longo cursos.

A compra de novos aviões, que deverá ser concretizada até 2020, vai permitir à TAAG concorrer em igualdade de circunstâncias com outras companhias do sector.

A decisão tem como pano de fundo a conclusão das obras de construção do novo aeroporto de Luanda, assim como a transformação da TAAG em sociedade anónima, decisão decretada por João Lourenço a 20 deste mês.

A actual frota da TAAG é composta por 13 aviões Boeing, três dos quais 777-300 ER, com mais de 290 lugares, e que foram recebidos entre 2014 e 2016. A companhia conta também com cinco 777-200, de 235 lugares, e outros cinco 737-700, com capacidade para 120 passageiros, estes utilizados nas ligações domésticas e regionais.

Este Sábado, Rui Carreira indicou que a TAAG está a preparar-se para acolher as grandes iniciativas que dizem respeito ao lançamento do turismo em Angola.

Sobre o posicionamento da TAAG no mercado, o antigo director do Instituto Nacional de Aviação Civil (INAVIC) disse que esta é uma empresa viável, que sempre cumpriu a sua missão, voando actualmente para mais de 30 destinos.

Reconheceu, no entanto, que a TAAG ainda é uma empresa deficitária, que enfrenta problemas relacionados, essencialmente, com questões operacionais e de preço dos combustíveis, com custos muito elevados.

Neste momento a TAAG não tem lucros, fixando-se as receitas entre os 700 milhões a 800 milhões de dólares por ano, um quadro que o novo Conselho de Administração, nomeado a 20 deste mês, pretende inverter.

Mais Lidas