Emmanuel Macron visita Angola no segundo semestre de 2019

O Presidente francês, Emmanuel Macron, vai visitar oficialmente Angola no segundo semestre de 2019, dando sequência à visita que o homólogo angolano, João Lourenço, efectuou a França em Maio deste ano, disse o embaixador em Luanda.
:
  

Falando na Quinta-feira à noite aos jornalistas após um encontro no Museu da Moeda, em Luanda, com cerca de 70 empresários franceses presentes em Angola, Sylvain Itté, salientou que a preparação da visita terá de coincidir com a concretização de projectos de investimento francês iniciados com a visita de João Lourenço a França.

"É um projecto sério. O nosso objectivo é o de que o Presidente Macron, criadas que forem as condições, visitar Angola em 2019, mais para o segundo semestre do ano.

A visita do Presidente “deve ser também um momento forte de concretização de projectos que começaram a nascer com a visita do Presidente Lourenço a França", afirmou. "Portanto, há todo um processo e espero que poderemos contar com a visita do Presidente Macron no segundo semestre de 2019", acrescentou.

Sylvain Itté garantiu, por outro lado, que a companhia petrolífera francesa Total vai continuar em Angola, lembrando que a empresa foi das primeiras a investir no país logo após a independência, em 1975, e que passa, entre outras questões, pela operação na área dos produtos refinados e na abertura de postos de combustíveis.

Segundo o diplomata a Total está "muito empenhada" no Projeto Eiffel, que abrange escolas públicas angolanas, que financia há 10 anos e que, reivindicou, estão reconhecidas como "algumas das melhores no país", havendo também projectos de formação de quadros técnicos em vários sectores.

"É uma presença (da França) que espero que vá continuar a desenvolver-se, não só com a Total, mas também com as outras empresas", sublinhou, exemplificando com a cervejeira Castel, que detém a marca Cuca.

"Muitos não sabem que a Castel é a primeira empregadora privada de Angola. Muitas regiões do país têm uma fábrica da Cuca, que, nalguns casos, é também a primeira empregadora nas cidades onde tem uma unidade de produção", disse.

O diplomata francês lembrou que a Castel investiu um projeto agrícola de mais de 4000 hectares em Malanje, para a produção do milho, que é, depois, utilizado no fabrico da cerveja.

"As empresas francesas estão presentes e empenhadas no desenvolvimento do país. Essa presença vai crescer, mas depende também dos investimentos públicos angolanos e da vontade das empresas angolanas investirem directamente no país, pois não devem esperar só o investimento estrangeiro, mas também construir verdadeiras parcerias com empresas estrangeiras e, naturalmente, francesas", afirmou.

Questionado sobre o volume do investimento francês em Angola, Sylvain Itté indicou que três dos maiores bancos franceses disponibilizaram uma linha de crédito no valor de 1500 milhões de euros (repartidos equitativamente por 500 milhões de euros entre o BNP-Paribas,o Crédit Agricole e a Societé General).

"Três dos principais bancos franceses disponibilizaram uma linha de crédito, o que significa que há dinheiro disponível para financiar projectos concretos e viáveis do ponto de vista económico a empresas francesas e angolanas", realçou.

Segundo o embaixador francês em Luanda, actualmente, há cerca de 300 empresas francesas com ligações directas ou indirectas a Angola, país onde operam 70 outras nos mais variados sectores.

Sylvain Itté realçou ainda a presença, em Angola, da Agência de Cooperação Francesa, que financiou dois projectos no valor de 200 milhões de euros, um de distribuição de água potável e outro na agricultura comercial.

"Não é uma questão de saber quanto dinheiro é investido, trata-se de saber, sim, quais os financiamentos disponíveis para as empresas decidirem investir. A parte do Governo francês está feita e as autoridades de Angola declararam e começaram a concretamente a dar condições para o investimento", sublinhou.

No entanto, admitiu o diplomata francês, "há ainda muito a fazer" para que as empresas estrangeiras se possam instalar em Angola e "não se podem esconder as dificuldades". "Mas acho tudo vai melhorar. Da parte francesa, das empresas francesas, há um interesse fundamental em trabalhar com Angola", terminou.

Mais Lidas