Ver Angola

Política

Angola e Portugal firmam acordos de facilitação de vistos e promoção de investimento

Obter um visto de curta duração e investir em Angola e Portugal é, a partir desta Sexta-feira, mais fácil. A simplificação destes processos foi firmada entre os dois países, com a assinatura do Protocolo de Facilitação de Vistos Nacionais e o Acordo de Protecção Recíproca de Investimentos.

: Clemente dos Santos/Angop
Clemente dos Santos/Angop  

Segundo o ministro das Relações Exteriores, Téte António, o protocolo de facilitação de vistos vai ajudar a simplificar "a vida" daqueles que desejam viajar por questões de trabalho, estudo e saúde, durante um curto espaço de tempo.

Por seu turno, o homólogo português, Augusto Santos Silva também partilhou a mesma visão: "Este acordo é feito com a autorização da Comissão Europeia" e "facilita a obtenção de vistos designadamente para pessoas que se têm de deslocar a Portugal por razões de trabalho, por razões de saúde ou por razões de estudo".

Citado pela Angop, o ministro luso falou ainda sobre o acordo que diz respeito ao investimento, tendo considerado que o objectivo do documento passa por facilitar a vida dos empresários e dos trabalhadores, impulsionando as "trocas económicas entre Angola e Portugal".

"Os portugueses devem contribuir para o crescimento da riqueza e do emprego em Angola e temos beneficiado de grande investimento de Angola, por ser essa a melhor maneira de desenvolver relações económicas", indicou.

Além dos dois acordos acima referidos – que foram assinados por Téte António e o seu homólogo português, Augusto Santos Silva – também foi rubricado um acordo na área da educação, entre o Ministério da Educação e o Instituto português da Cooperação e da Língua, chamado "Saber Mais".

O chefe da diplomacia nacional defendeu que o documento vai ajudar a fornecer conhecimento de qualidade aos jovens.

"Este é o mais importante por que é aquele que lança o novo programa de cooperação entre Portugal e Angola na área da educação, que começará a partir do próximo ano lectivo e destina-se à formação de formadores", afirmou o ministro.

O programa vai ser desenvolvido nas províncias de Luanda e do Bié, que foram escolhidas pelo Governo angolano, e vai prolongar-se até 2025, estando previsto um investimento de cerca de 3,85 milhões de euros, dos quais 3,1 milhões garantidos pela cooperação portuguesa e 750 mil euros pela parte angolana, indicou Santos Silva.

Já Augusto Santos Silva fez saber que este memorando vai durar cinco anos e que está orçado em cerca de quatro milhões de euros.

Indicou ainda que este acordo pretende prestar apoio a Angola no que concerne à formação de professores nas principais áreas (matemática, língua portuguesa, pré-escolar e necessidades educativas especiais).

A par destes três documentos firmados com Portugal, Angola também rubricou, esta Sexta-feira, um memorando de entendimento com a Guiné-Bissau, no âmbito da cooperação financeira.

Relacionado