Ver Angola

Economia

Angola poderá tornar-se na quarta maior economia de África até 2050

As projecções apontam para que a economia do nosso país cresça nos próximos anos e que Angola se venha a tornar na quarta maior economia do continente africano até 2050, avança um relatório elaborado pelo Instituto de Estudos e Segurança (ISS), sediado na África do Sul.

: Views of Angola
Views of Angola  

De acordo com o relatório, o PIB de Angola deverá chegar aos 994 mil milhões de dólares até 2050, o que colocará o país apenas atrás da Nigéria, África do Sul e Egipto.

As projecções, citadas pela Angop, indicam que se Angola conseguir superar os problemas ligados à governação, ao acesso a infra-estruturas de qualidade, o acesso à educação e a cuidados de saúde primários, deverá tornar-se na quarta maior economia de África.

O relatório, designado "Cenários do Futuro de Angola 2050 para além do petróleo", que não inclui os impactos da covid-19 na economia angolana, uma vez que foi elaborado em Março, prevê que a economia de Angola possa vir a crescer sete vezes mais do que quando comparado com 2020.

Além disso, o relatório indica ainda que Angola – que é actualmente a sexta maior economia do continente – em 2040 deverá ter ultrapassado as economias de Marrocos e Argélia.

O relatório analisou seis sectores – economia, infra-estruturas, energia, demografia, agricultura e saúde – tendo concluído que estes deverão começar a crescer já nesta década.

A crise económica, que tem trazido resultados negativos ao país desde 2016, torna-o vulnerável no mercado, indica, admitindo que o facto de o mercado petrolífero ser tão volátil tem causado alguns prejuízos para a economia angolana.

O PIB deverá crescer a uma taxa média de cerca de 4,6 por cento por ano, entre 2020 e 2030 – ano em que a economia de Angola poderá crescer para 238 mil milhões de dólares e assim ultrapassar Marrocos.

Dez anos depois, por volta de 2040, prevê-se que Angola venha a ultrapassar a Argélia.

No entanto, o documento alerta que as projecções a longo prazo não são animadoras, indicando que instituições financeiras como o FMI, prevêem que Angola viverá, pelo menos, mais um ano de recessão.

Mas nem tudo são más notícias, apesar dos inúmeros desafios que Angola tem para enfrentar, o relatório indica que as previsões a longo prazo são muito positivas, frisando que o crescimento da população e a maior taxa de urbanização vão fazer aumentar a produção económica.

Além disso, o relatório indica ainda que Angola tem de conseguir ultrapassar os problemas da qualidade das infra-estruturas e baixar as taxas de desnutrição infantil e de mortalidade materna para crescer.

Sugere também que o Governo faça chegar electricidade a mais angolanos e seja feito um investimento no sector das energias renováveis. Também sugerem uma aposta no sector agrícola, uma vez que a agricultura é essencial par a obtenção da auto-suficiência alimentar.