Ver Angola

Comércio

Cidade da China luta para vencer o medo da covid-19 e voltar à normalidade

Depois de três dias sob cerca sanitária, devido a dois casos de covid-19, os comerciantes da Cidade da China, na capital, lutam para vencer o medo e a desconfiança dos clientes e recuperar a normalidade.

: Ampe Rogério/Lusa
Ampe Rogério/Lusa  

Pouco antes das 09h00, num dia de semana, meia dúzia de carros perfilam-se para entrar neste mega-centro comercial da periferia de Luanda. Habitualmente intenso, o movimento é agora fraco depois de a cerca sanitária imposta na semana passada ter obrigado 300 lojas a fechar portas por três dias.

Na entrada, as viaturas são pulverizadas por uma equipa de desinfecção e é medida a temperatura dos ocupantes dos veículos, que atravessam ainda um tapete desinfectante antes de entrar no complexo comercial.

A "cidade", com uma clientela diversificada, que acorre ao local atraída pelos baixos preços, é bem organizada. Há estacionamento, ruas largas, "bairros" diferenciados de acordo com os produtos e serviços que oferecem: venda de fardos (roupa usada), mobiliário, electrodomésticos e produtos electrónicos, vestuário e calçado, peças de automóveis, mas também supermercados e áreas de restauração e até bancos.

Nos anúncios coloridos, que encimam as entradas das lojas e decoram as ruas, usam-se caracteres chineses juntamente com a língua portuguesa, mas a Cidade da China acolhe diferentes nacionalidades, incluindo de Portugal.

Emanuel Lello, em Angola há 11 anos, actualmente o único comerciante português no local, diz que "é impressionante a diferença" face à semana passada numa Cidade da China invulgarmente pacata, escusando-se, no entanto, a estabelecer uma relação de causalidade com a cerca.

"Muitas pessoas ainda julgam que estamos em cerca. Acho que vai acabar por voltar ao normal, mas acho que há outros factores na economia que também estão a arrastar a queda das vendas", acrescentou, apontando também a "redução drástica" do poder de compra.
A sua loja de lubrificantes, que importa de Portugal, emprega 12 pessoas e está na cidade da China desde que abriu.

"Nós vimos o empreendimento a ser construído, visitámos e fomos dos primeiros a alugar. Fomos bem recebidos", afirmou o português, assumindo que tem havido "algumas pedras no caminho" devido à pandemia.

Emanuel Lello salientou que "a Cidade da China está muito mais bem preparada do que outros mercados para enfrentar uma situação de pandemia", referindo o controlo de segurança e "o controlo sanitário constante", apesar dos dois casos identificados.

O mesmo "vazio" constatou o libanês Mohamed Menem, em Angola há 15 anos, que se instalou há quatro meses na Cidade da China aliciado pelo movimento e pela "gestão excelente da administração", variedade e bons preços dos produtos: "tornou-se um ponto de referência para todas as camadas de clientes, todo o mundo vem aqui".

Mas agora "está vazio, as pessoas ainda têm medo", afirmou o comerciante, considerando que não faz sentido se se comparar com o número de casos que se tem encontrado nos mercados.

"O movimento está a 20 por cento do normal, mas acredito que mais uns dias teremos um movimento melhor e brevemente voltaremos ao que era antes", disse Mohamed Menem, na sua loja, onde vende vestuário e outros produtos "importados dos Estados Unidos" como faz questão de frisar.

Tina Yang, dona de uma loja de decoração, frisou igualmente que o negócio não corre tão bem como antigamente e destacou que todos os comerciantes adoptam medidas de prevenção.

"Por causa da pandemia, todas as lojas têm perdido, o nosso objectivo é estar sempre abertos porque temos funcionários para sustentar e eles também tem de sustentar as famílias, mas o nosso objectivo primeiro é defender a vida", afirmou.

Questionada sobre se tem sentido dificuldades para pagar a renda, indicou que tem "confiança no apoioda administração da Cidade da China".

Depois dos dois casos de infecção "houve muitos clientes que ficaram com medo de vir", mas Tina Yang garantiu que no local há medidas de prevenção.

No exterior, circulam alguns, poucos, clientes, como Maria Salomé que transporta à cabeça um fardo. "Vim comprar vestidos", disse à Lusa, adiantando que os vai revender num mercado. "Graças a Deus já tiraram a cerca", desabafou, acrescentado: "É aqui que ganho o pão para os filhos, venho sempre cá, o preço é melhor".

Maria Salomé garantiu que o espaço está bem preparado contra o coronavírus: "Antes de entrar lavo as mãos, tem álcool gel, sem máscara não se pode entrar no armazém. Não tenho medo porque está tudo organizado".

Télson Sebastião, trabalhador da Cidade da China, veio acompanhar uma familiar na compra de um fardo, e também nota que o movimento está fraco.

"Antes de entrarmos em quarentena havia mais enchentes, quando fecharam para poder testar encontrámos o movimento mais fraco, dá para entender que o pessoal está com medo dessa doença", disse o jovem.

Télson "tem medo" da covid-19, mas precisa do seu ganha-pão e não pode ficar em casa parado. "Uso os meus meios de prevenção, uso sempre a máscara e o álcool gel", garante, exibindo um pequeno desinfectante portátil, salientando ainda que "há organização" na Cidade da China e os seguranças são muito rigorosos no seu trabalho.

Relacionado