Ver Angola

Ambiente

De caçador a soldado da natureza: como é que um Governador mudou a vida de Fernando Tchissingue

Começou a caçar aos 17 anos, pelas matas do Caiundo, em Menongue, na província do Cuando Cubango. Hoje, Fernando Tchissingue ‘Tronco’ deixou as armas para trás e viu a sua vida mudar graças ao governo provincial.

: Nicolau Vasco | Edições Novembro
Nicolau Vasco | Edições Novembro  

Toda a vida - 54 anos - conheceu a caça. Até 2003 caçava três a sete elefantes por dia. Dizem que era o "caçador mais temido" do Cuando Cubango. "Na comuna do Caiundo, onde comecei a caçar, os meus amigos apelidaram-me de 'caçador mais temido', depois transferi-me para a localidade da Jamba, no Rivungo, onde caçava elefantes a mando dos mais altos dirigentes da UNITA, naquela altura", contou ao Jornal de Angola.

No período de guerra, a carne do animal alimentava a população e o marfim era comercializado para o exterior.

A paz marcou um interregno na caça e o início de uma nova vida dedicada à agricultura. Fernando é dono de um campo de cultivo com mais de seis hectares no Tchatoma, comuna da Jamba, município do Rivungo. Cultiva milho, massambala, batata doce, abóbora e mandioca. Ajudam-no duas esposas e os filhos.

Quando a caça já fazia parte do passado, a seca - e consequentemente a forme - assolaram a província. 'Tronco' foi forçado a regressar às matas. Caçou javalis e cabras do mato no Parque Nacional de Conservação Animal do Luengue-Luiana. Serviram para matar a fome à sua família, conta.

Queixando-se de que nunca recebeu apoios do Estado por ter "comida suficiente em casa", foi detido a caçar - em flagrante delito - a 30 de Janeiro deste ano. Transportava animais abatidos no parque nacional.

"Já foi detido mais de 15 vezes, por abater várias manadas de animais selvagens, com realce para elefantes, rinocerontes, búfalos, entre outras espécies, para fins comerciais", disse António Lopes, da Unidade de Crimes Ambientais (UCA), ao mesmo jornal.

A história de Fernando chamou a atenção de Júlio Bessa, governador do Cuando Cubango. Apercebendo-se da situação, foi falar com o caçador. A conversa terminou com o governante a achar que este poderia ser uma peça fundamental no combate aos caçadores furtivos da região.

Assim, Fernando viu-lhe oferecido um curso de formação técnico-profissional que o transformará num fiscal ambiental, um "soldado da natureza", de forma a que possa trabalhar com o Governo local no combate à caça furtiva.

"Para o combate aos crimes ambientais, muitas vezes é necessário trabalharmos com pessoas que sabem como os caçadores furtivos ludibriam os fiscais, para abaterem os animais selvagens", afirmou o governador do Cuando Cubango.

Ao Jornal de Angola, 'Tronco' mostrou-se "satisfeito", dizendo que conhece todas as vias e truques utilizados por caçadores nacionais e estrangeiros.

Com este emprego oferecido pelo governo provincial não precisará mais de abater animais para alimentação. "Agora vou sustentar condignamente a minha família. Garanto que vou prestar todo o apoio necessário ao governo, nas acções de combate à caça furtiva", disse.