Receitas da exportação de petróleo disparam 66 por cento num mês

As receitas fiscais com a exportação de petróleo cresceram em Junho 66 por cento, para 152,8 mil milhões de kwanzas, face a Maio, segundo dados do Ministério das Finanças compilados esta sexta-feira pela Lusa.
:
  

Estas receitas resultaram da exportação de 54.495.925 barris de petróleo em todo o mês de Junho, um aumento (quantidade) de 1,8 por cento face a Maio e de 6,9 por cento em relação ao mesmo mês do ano passado.

Contudo, em Junho de 2014, a exportação de petróleo - no total menos 3,5 milhões de barris, em termos homólogos - rendeu a Angola 270.872 milhões de kwanzas em receitas fiscais, contra os 152.825 milhões de kwanzas do mês passado.

A quebra na cotação internacional do barril de crude, que se agravou no final de 2014, chegou a reduzir 50 por cento o valor do petróleo bruto, afectando fortemente o desempenho da economia nacional, e levou o Governo a cortar um terço do investimento público projectado inicialmente para este ano.

A evolução agora evidenciada nas contas angolanas do petróleo reflecte uma melhoria na cotação média de cada barril de crude exportado, que passou em Junho a cifrar-se em 61,86 dólares, um aumento de mais de cinco dólares face a Maio, mas ainda muito longe dos 107,95 dólares de há um ano.

Em causa estão números sobre a receita arrecadada com o Imposto sobre o Rendimento do Petróleo (IRP), Imposto sobre a Produção de Petróleo (IPP), Imposto sobre a Transacção de Petróleo (ITP) e receitas da concessionária nacional.

Os dados constantes neste relatório do Ministério das Finanças resultam das declarações fiscais submetidas à Direcção Nacional de Impostos pelas companhias petrolíferas, incluindo a concessionária nacional angolana, a empresa pública Sonangol.

Angola é o segundo maior produtor de petróleo da África subsaariana, atrás da Nigéria, estimando o Executivo superar a produção diária de 1,8 milhões de barris em 2015.

O petróleo garantiu em 2014 cerca de 70 por cento das receitas fiscais angolanas, mas este ano não deverá ultrapassar os 36,5 pontos percentuais, de acordo com as projecções governamentais.

Mais Lidas