Ver Angola

Educação

Governadores provinciais aconselham Governo a adiar arranque das aulas

Os governadores provinciais do país acham que será melhor adiar o arranque das aulas por considerarem que não há condições suficientes para garantir a segurança dos alunos.

: Federica Polselli/Unicef Angola
Federica Polselli/Unicef Angola  

As aulas, tanto do ensino primário como do primeiro ciclo, estão previstas regressar no dia 27 de Julho. No entanto, esta Segunda-feira, os governadores das 18 províncias do país mostraram-se reticentes, tendo aconselhado o adiamento do reinício das aulas.

As preocupações foram expostas durante uma vídeo-conferência liderada pela ministra de Estado para a Área Social, Carolina Cerqueira, e onde também participaram o secretário de Estado para a Comunicação Social, Nuno Carnaval, e a ministra da Educação, Luísa Grilo.

Segundo Carolina Cerqueira, citada pelo Jornal de Angola, o arranque das aulas é uma "preocupação muito grande" por não estarem asseguradas as medidas de biossegurança necessárias à prevenção da covid-19.

A ministra referiu ainda que essa preocupação se torna maior no ensino de primeiro ciclo, uma vez que a consciencialização das crianças sobre o risco da doença é uma tarefa difícil.

Além disso, a falta de água, a falta de pessoas para cuidar das crianças nas escolas e a degradação das infra-estruturas escolares, foram outros dos motivos que levaram os governadores a aconselhar o adiamento.

Estas questões vão ser analisadas com o Ministério da Educação e da Saúde, para que seja encontrada uma solução que garanta a protecção das crianças, disse a ministra, frisando que independentemente da presença deste problemas, o ano lectivo não será anulado.

As aulas no país foram suspensas no final de Março devido à covid-19.