Ver Angola

Lazer

Angolana faz parte da equipa de produção do mais recente filme da Netflix

Uma das mais recentes produções da Netflix contou com a colaboração de uma luso-angolana. Francisca Pimentel integrou a equipa de produção do filme “Resgate” que tem como protagonista o actor Chris Hemsworth.

:

A viver há 12 anos no Canadá, Francisca tem realizado vários trabalhos na área dos efeitos visuais. A mais recente conquista prende-se com a participação na produção do filme "Resgate", em estreia na plataforma de streaming.

Além deste filme, a luso-angolana já trabalhou com vários filmes de renome: "Birds of Prey (e a Fantabulástica Emancipação De Uma Harley Quinn)", "Bloodshot", "Dora, a exploradora" e "Gatos".

Em entrevista ao Platinaline, Francisca Pimentel disse que a produção da Netflix estava recheada "de efeitos visuais" e que apesar de ter tido bastante trabalho, "compensou o resultado final".

"Os efeitos visuais são uma parte muito importante nos filmes e séries, porque trabalha o fogo, água e as paisagens. Muitas vezes, os actores gravam num estúdio e depois o resto é acrescentado com os efeitos visuais. Neste filme, em específico, uma grande parte foi gravada em estúdio, uma vez que está repleto de efeitos. Posso dizer que, na altura, foi o maior projecto da empresa onde trabalhei", afirmou.

Falando sobre a sua adaptação ao mundo cinematográfico, uma vez que as suas bases são em jornalismo, televisão e social media, Francisca revelou que a mudança foi desafiante, mas que a ajudou a crescer.

"Acho que sou a única mulher angolana e portuguesa a trabalhar nesta área no Canadá. Pelo menos, não conheço mais nenhuma, se não teria sabido, pois este mundo não é assim muito grande", sublinhou.

A viver há mais de 10 anos longe da família, a angolana diz que sente saudades de quem deixou em Angola: "Tenho muita família aí. Começando pelo meu irmão. Tenho tios, tias e primos. E os meus pais têm casa em Luanda. É muito difícil ficar longe das pessoas que amamos. É muito duro estar longe de Luanda e, de igual modo, também é duro estar longe de Portugal, onde tenho a minha mãe, as minhas manas e os meus sobrinhos. Não é fácil estar do outro lado do mundo, mas vamos lidando com as saudades, mantemos o contacto permanente graças a todas as redes que nos permitem comunicar e estar sempre ligados".