Restos mortais de Savimbi depositados numa unidade militar no Andulo

O Governo anunciou que depositou os restos mortais do líder fundador da UNITA, Jonas Savimbi, numa unidade militar no município do Andulo, província do Bié, sem a presença de representantes familiares ou do partido.
:
  

Segundo o ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, Pedro Sebastião, a direcção da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), maior partido da oposição, "impediu os seus representantes na comissão [do partido, para as exéquias fúnebres] de estarem presentes no Andulo", para a recepção dos restos mortais de Jonas Savimbi.

O governante, que falava em conferência de imprensa em Luanda, proveniente do Andulo, no quadro da inumação dos restos mortais de Jonas Savimbi, morto em combate a 22 de Fevereiro de 2002, recordou que a pedido da família e da UNITA, o Presidente angolano, João Lourenço, criou, em 15 de Agosto do ano passado, a Comissão Multissetorial para o Processo de Exumação, Transladação e Inumação dos Restos Mortais do líder histórico do partido do 'galo negro'.

"Hoje, dia 28, estava prevista a transladação dos restos mortais do Luena (província do Moxico) para o Bié e mais concretamente para o Andulo, depois de termos tido uma reunião a nível da comissão e ter ficado assim decidido", disse Pedro Sebastião.

O presidente da UNITA, Isaías Samakuva, condenou o impasse que disse ter sido criado pelo Governo, acusando o executivo de "falta de diálogo" sobre as questões ligadas às exéquias fúnebres do líder histórico do partido.

Os restos mortais de Jonas Savimbi saíram do cemitério do Luena, na província do Moxico, quando era suposto terem chegado ao Cuíto esta Terça-feira de manhã, onde se encontra a família de Jonas Savimbi e a direcção da UNITA.

Numa conferência de imprensa no Cuíto, Samakuva indicou que estava tudo preparado para receber os restos mortais na capital do Bié e que face à falta de diálogo há "algo que se está a passar, que o partido não entende".

Segundo Samakuva, os restos mortais de Savimbi foram entregues na Segunda-feira no Luena sem que a UNITA ou a família estivesse presente, pois não havia ninguém mandatado pelo partido ou pela família para o efeito.

Já segundo as explicações dadas ao final da tarde pelo ministro Pedro Sebastião, que coordena a comissão multissetorial, na segunda-feira realizou-se uma última reunião com os familiares e elementos do partido, para acertar detalhes do processo, que deverá culminar a 1 de Junho, com as cerimónias fúnebres previstas para o cemitério de Lopitanga (Bié).

"E hoje, mais do que não cumprimos senão aquilo que estava efetivamente previsto", afirmou, recordando que "tal como a UNITA solicitou" o Governo montou uma "operação logística" para o efeito, envolvendo, entre outros meios, um Boeing 737, um Antonov An-72 e quatro helicópteros.

Pedro Sebastião referiu que no Andulo começou a receber, às primeiras horas, "sinais de que, a partir do Luena, a UNITA estava a inviabilizar a transladação dos restos mortais do Dr. Savimbi".

"E essa atitude da UNITA baseou-se no sentido de não estarem presentes, na altura da retirada dos restos mortais da capela, onde se encontrava, para a aeronave e fazerem-se acompanhar até ao Bié", explicou o governante.

"Sabemos que é pretensão da UNITA realizar a inumação em Lopitanga, que dista cerca de 30 quilómetros do Andulo, e, portanto, esta localidade era o ponto mais próximo para esta operação e foi no fundo o que se passou", acrescentou.

O ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do Presidente da República disse que os restos mortais do líder fundador da UNITA ficaram depositados no Andulo, numa unidade militar, que não está vocacionada para esta situação.

"Esperamos que não seja muito tarde, porque a unidade não está vocacionada para este tratamento. Naturalmente, as Forças Armadas poderão dar outro destino, que não ter de permanecer com os restos mortais ali na unidade", alertou.

Questionado se não havia possibilidade de transferir os restos mortais do Andulo para o Bié, Pedro Sebastião respondeu negativamente, justificando com problemas de ordem logística, nomeadamente combustível, entre outros.

Solicitado a responder se o Governo teve ou não conhecimento do programa apresentado pela UNITA, que previa a entrega dos restos mortais no Luena, Pedro Sebastião esclareceu que todos os assuntos inerentes à exumação dos restos mortais de Jonas Savimbi são tratados na comissão multissectorial, na qual mereceu o devido tratamento.

Pedro Sebastião sublinhou que do último encontro havido com a família e alguns membros do partido "ficou assente que seria no Andulo".

"Nós fizemos aquilo que nos competia, quando a família assim o entender e quando o partido UNITA assim o entender, os restos mortais estão lá e não devemos esquecer em que circunstâncias o Dr. Savimbi morreu. Nós não temos memória curta", afirmou.

"O que nós aconselhamos à família e ao partido é que acelerem de facto e que vão buscar os restos mortais, porque nem sempre temos a disponibilidade para estarmos de um lado ou de outro para tratar de assuntos que, em nosso entender, já há muito deviam estar resolvidos", acrescentou.

Pedro Sebastião acrescentou que o Governo continua aberto ao diálogo se constatar "que há essa vontade, vontade política sobretudo, da parte da família", mas sem concretizar até quando é que os restos mortais de Jonas Savimbi poderão ficar depositados no Andulo.

Mais Lidas