Ver Angola

Economia

Novas moedas garantem poupança de 60 por cento ao Estado

Angola vai emitir moedas com nove meses de durabilidade, permitindo ao Estado poupar nos custos para manter as actuais notas de igual valor em circulação, disse o governador do Banco Nacional de Angola (BNA).

NovoJornal:

José Pedro de Morais Júnior justificava ontem na Assembleia Nacional, em Luanda, a proposta de Lei que autoriza o BNA a emitir e pôr em circulação moedas metálicas de 50 e 100 kwanzas.

O governador do BNA explicou que há um custo muito elevado para mandar produzir as 136 milhões de notas de 50 e as 146 milhões de notas de 100 kwanzas, neste momento em circulação no país e que têm durabilidade de três meses. Um custo que, estimou, será reduzido em cerca de 60 por cento.

A proposta para introdução destas novas moedas foi aprovada com 175 votos a favor, nenhum contra e três abstenções.

Em reposta a questões levantadas por deputados, o governador do BNA disse que além da razão financeira há igualmente a económica, já que as moedas vão facilitar as transacções comerciais, respondendo assim ao novo contexto económico de Angola. "Questão diferente será com as moedas que têm uma durabilidade de nove meses no mínimo e portanto há um ganho efectivo para a entidade que manda cunhar as moedas e notas", frisou.

"A introdução de moedas com este valor de 50 e 100 kwanzas vai permitir efectivamente serem de alguma serventia à restante família de moedas, porque agora assim é possível nas transacções de bens e serviços utilizar-se plenamente apenas moedas", acrescentou.

Além das razões financeiras e económicas, a proposta de lei foi motivada pelo objectivo de participar nas comemorações dos 40 anos de independência de Angola, no dia 11 de Novembro, pelo que a sua entrada em circulação acontece ainda este ano.

Até ao final do ano, Angola passará a contar com sete moedas metálicas diferentes e cinco notas.