Ver Angola

Política

Brasil e Angola vão relançar cooperação estratégica este ano

Angola e Brasil pretendem relançar, este ano, a sua cooperação estratégica. Segundo o anúncio de Rafael de Mello Vidal, embaixador da República Federativa do Brasil em Angola, os dois países têm em mente algumas ideias novas para o sector comercial e para investimentos, que ajudarão a inovar as relações bilaterais.

: Presidente da Assembleia Nacional com o embaixador do Brasil em Angola (Foto: Paulo Mulaza/Edições Novembro)
Presidente da Assembleia Nacional com o embaixador do Brasil em Angola (Foto: Paulo Mulaza/Edições Novembro)  

Afirmando que depois de o panorama internacional ter acabado por condicionar os investimentos brasileiros em Angola, o embaixador explicou que o Brasil tem vindo a dar uma nova atenção às relações bilaterais com Angola.

"Damos uma atenção prioritária a Angola. Temos mais de 70 projectos de cooperação, uns já concluídos e outros em andamento", disse Rafael de Mello Vidal, citado pela Angop, no final de uma reunião com o presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, esta Quarta-feira.

O diplomata destacou a existência de uma relação forte no sector da defesa e segurança: "Temos uma cooperação que é um dos pilares dessa parceria estratégica que envolve exercícios navais conjuntos, a troca de equipamentos, formação de oficiais na área aeronáutica, marinha e no exército".

Também destacou as parcerias na área da saúde, exemplificando o trabalho desenvolvido no controlo do HIV, e falou ainda nas fortes relações bilaterais que existem na agricultura e na formação de quadros angolanos no Brasil.

Podemos citar a existência de vários projectos, "mas temos, por exemplo, no campo da saúde, o banco de leite, na agricultura, temos os trabalhos de formação e treinamento de técnicos angolanos no Brasil e na área da saúde existe também uma demanda que vamos começar a trabalhar que é na área do controlo do HIV", indicou, citado pelo Jornal de Angola.

O embaixador brasileiro também mencionou a realização de uma possível visita do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, a Angola, no âmbito da sua participação na Cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que decorre este ano, em Luanda.

"Queremos, à margem dessa cúpula, fazer uma reunião bilateral com a presença de empresários e há, também, expectativas da reunião ser acompanhada por parlamentares e senadores brasileiros que acompanham a agenda do Brasil com Angola".

Rafael de Mello Vidal também elogiou a governação angolana, destacando o crescimento da economia nacional e o bom controlo da covid-19. "Angola dá exemplo ao mundo em vários aspectos da sua política. O Governo do Presidente João Lourenço só pode ser exaltado por esse trabalho", disse.

O presidente da Assembleia Nacional também recebeu, esta Quarta-feira, o embaixador italiano Cristiano Gallo, que indicou que aquele país europeu e Angola estão a trabalhar no sentido de aumentar os investimentos.

"O ambiente é favorável e estão todos interessados em todos os sectores, sobretudo da agricultura, temos uma história de cooperação e acho que será possível fazer isto".

Também o embaixador da Sérvia, Milos Peridis se reuniu com Fernando da Piedade Dias dos Santos. O diplomata considerou que as relações entre Angola e Sérvia "são muito boas" e revelou que o seu país ofereceu 10 bolsas de estudo a jovens angolanos.

Citado pela Angop, Milos Peridis afirmou que Angola e o seu país são "velhos amigos" e que a Sérvia quer continuar a "trabalhar com Angola em todas as áreas, fundamentalmente na agricultura, educação, novas tecnologias e informática".