Ver Angola

Saúde

País tem 463 pessoas em quarentena institucional, anuncia Governo

Angola tem actualmente 463 pessoas que regressaram ao país nos últimos dias em quarentena institucional, distribuídos pelo centro de Calumbo e duas unidades hoteleiras, anunciou a ministra da Saúde numa conferência de imprensa em Luanda.

:

"Há 463 viajantes que estão em quarentena", revelou, acrescentando que são assintomáticos, ou seja, não apresentam sintomas da covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus.

Sílvia Lutucuta falou ainda sobre os problemas que enfrentaram os passageiros que regressaram no dia 20 de Lisboa e do Porto e foram colocados em quarentena institucional, assumindo que "houve inicialmente alguns problemas com a logística do alojamento destes viajantes, mas já foram superadas".

A ministra disse que este grupo de pessoas veio de "um país de risco" (Portugal) pelo que foi decidido que a medida mais adequada era a quarentena institucional.
"Inicialmente, neste grupo de passageiros tínhamos 60 que não tinham estas condições, não havia camas para todos", indicou.

Segundo explicou, houve "indisponibilidade" da rede de hotéis IU para a cedência dos seus espaços, ao contrário do que tinha sido inicialmente previsto, tendo sido entretanto feito "um esforço no sentido de se encontrem as condições adequadas para a instalação destes viajantes".

Afirmando que "nenhum país pode dizer que está 100 por cento preparado", a governante pediu também mais "sensibilidade" ao setor privado face à emergência causada pela pandemia de covid-19.

Sílvia Lutucuta afirmou ainda que alguns dos passageiros que regressaram a Angola na semana passada e tinham sido colocados em quarentena domiciliar não estavam a cumprir o isolamento a que eram obrigados.

"O nosso maior desafio em relação às quarentenas foi a quarentena domiciliar porque as pessoas ainda não perceberam, apesar de termos informado de todas as formas, alguns não têm cumprido, ainda não perceberam que estão a colocar em risco eles próprios, as suas famílias e outros que estejam à sua volta", criticou, acrescentando que foram recebidas denúncias e as pessoas estão a ser levadas para quarentena institucional para minimizar o risco.

A ministra afirmou ainda que foram adquiridos 21 ventiladores e os técnicos vão ter a formação adequada para o manuseamento de casos graves que venha a surgir, estando igualmente a ser mobilizadas todas as unidades de referência que têm os seus próprios ventiladores.

Alertou também para a necessidade de "encarar esta epidemia com discernimento e espírito de união", sem estigmatizar as pessoas que regressaram dos países de risco, muitos dos quais são angolanos.

"Tínhamos de receber os nossos cidadãos e temos de trabalhar no sentido de evitar o impacto da doença no nosso país do ponto de vista social e económico", frisou
Questionada sobre o espancamento de um cidadão português no Bié por ser alegadamente portador da doença, a ministra condenou este tipo de atitudes, sublinhando que as pessoas envolvidas "serão severamente punidas".

A ministra recomendou ainda o cumprimento das regras de prevenção, nomeadamente evitar aglomerados com mais de 50 pessoas, não fazer visitas desnecessárias e lavar frequentemente as mãos com água e sabão.

Quanto ao plano de contingência adotado por Angola, onde já há três casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, este poderá vir a prever outras medidas, de acordo com a evolução da doença.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 341 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 15.100 morreram.
Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente africano registou mais de 50 mortes devido ao novo coronavírus, ultrapassando os 1.700 casos em 45 países e territórios, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia da covid-19.