Ver Angola

Educação

Embaixador português em Angola realça “aposta vencedora” na formação profissional

O embaixador português em Angola, Pedro Pessoa e Costa, destacou a “aposta vencedora” do Governo na formação profissional, encorajando o envolvimento das empresas portuguesas no domínio da capacitação.

:

"A reunião que hoje tivemos revela uma aposta vencedora do Governo angolano, a aposta na formação, na qualificação e no talento angolano, bem como da União Europeia" num sector que é simultaneamente "um desafio" e um tema "importantíssimo para o presente e o futuro" de Angola, sublinhou o diplomata.

Pedro Pessoa e Costa falava aos jornalistas, em Luanda, após um encontro de balanço das actividades do programa RETFOP (Revitalização do Ensino Técnico e da Formação Profissional de Angola) com membros do executivo e a embaixadora da União Europeia no país, Jeannette Seppen.

O Camões - Instituto da Cooperação e da Língua é responsável pela gestão, a par da sua congénere francesa Expertise France, do RETFOP, um projecto financiado pela União Europeia, com uma dotação global de 22 milhões de euros que pretende contribuir para a redução do desemprego, especialmente entre os jovens, através da disponibilização de capital humano mais capacitado e empregável.

O programa traduz também, continuou, a importância que Portugal atribui ao reforço de cooperação com Angola e à formação de uma população "cada vez mais jovem".

O embaixador realçou ainda a relação entre a componente técnica e pedagógica e o envolvimento do sector privado na capacitação.

O diplomata considerou que "as empresas portuguesas presentes também neste mercado poderão ser úteis para que se vá criando uma geração de formadores e formados RETFOP", reiterando que a educação e a capacitação de recursos humanos são "uma aposta segura".

"Temos várias empresas portuguesas que estão aqui presentes e que fazem muito isso, a capacitação e a transferência de tecnologia. É uma maneira diferente dos portugueses fazerem negócio nos países", comentou Pedro Pessoa e Costa.

"Estou certo de que, naquilo que nos compete poderemos cooperar sempre para que estes jovens possam ter o seu percurso profissional com empresas de todo o mundo", assinalou, manifestando-se convicto de que as empresas portuguesas presentes em Angola "estarão seguramente disponíveis para aceitar" estes jovens.

Relacionado