Ver Angola

Economia

PR contrata Rothschild, por 480 mil euros, para apoiar criação de fundo de apoio ao investimento estrangeiro

O Presidente da República autorizou, por ajuste directo, a contratação do grupo Rothschild & Co., por 480 mil euros, para apoiar a criação de um fundo vocacionado para o investimento directo estrangeiro e financiamento de projectos específicos.

: Ampre Rogério/Lusa
Ampre Rogério/Lusa  

O despacho presidencial, datado de 6 de Janeiro, aponta a "necessidade de aquisição de serviços de consultoria financeira internacional para a assistência na criação de um Fundo de Captação de Investimento Directo Estrangeiro e financiamento de projectos específicos", delegando competências do procedimento de contratação à ministra das Finanças.

"O Ministério das Finanças é autorizado a inscrever o projecto no Programa de Investimento Público (PIP) e assegurar a disponibilidade dos recursos financeiros necessários à boa execução do contrato", acrescenta o documento.

No ano passado, o presidente do Grupo Rothschild e do banco com o mesmo nome, Thibaud Foucarde, anunciou a intenção de abrir um escritório em Luanda e fazer investimentos no país durante um encontro com o Presidente, João Lourenço, em Paris.

A reunião ocorreu um dia antes da realização da Cimeira África-França sobre o financiamento das economias africanas, uma iniciativa do Governo francês com o envolvimento da União Africana, em 18 de Maio de 2021.

Na ocasião, Thibaud Foucarde destacou que a ideia de investir em Angola passa por ajudar a criar mais postos de trabalho e proporcionar mais prosperidade ao país, exaltando as reformas em curso, segundo noticiou o Jornal de Angola.

Citado pelo diário angolano, Thibaud Foucarde disse que o seu grupo tem experiência em trabalhar em vários países e que queria instalar-se também em Angola, com o intuito de ajudar em várias matérias

Num outro despacho presidencial, também datado de 6 de Janeiro, João Lourenço aprovou o acordo de financiamento a celebrar entre a República de Angola, representada pelo Ministério das Finanças, e a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), no valor global de 200 milhões de euros, para apoio orçamental dirigido aos programas de diversificação económica de Angola e melhoria de políticas.