Ver Angola

Economia

ONU: cenário de recessão este ano em Angola é possível

A analista do Departamento das Nações Unidas para Assuntos Económicos e Sociais (UNDESA) que segue as economias lusófonas disse esta Segunda-feira à Lusa que o cenário de recessão em Angola é uma possibilidade se os riscos negativos se materializarem.

:

"Há riscos significativos relativos à capacidade de as políticas macroeconómicas e reformas estruturais garantirem sustentabilidade externa, portanto, haver uma nova recessão este ano é um cenário possível se os riscos se materializarem, como nova onda de infecções ou se as medidas previstas não conseguirem estimular a procura interna, nomeadamente o investimento", afirmou Helena Afonso.

Em entrevista à Lusa sobre Angola, a propósito da divulgação do relatório do UNDESA sobre a Situação Económica e Perspectivas Mundiais, a analista acrescentou que "as dificuldades económicas continuam em Angola, prevendo-se um crescimento de 1,2 por cento este ano".

No ano passado, "dada a menor procura externa, a descida nos preços do petróleo e as medidas restritivas para combater a pandemia, estima-se que a economia tenha contraído pelo quinto ano consecutivo, cerca de 3 por cento", apontou.

O Governo, continuou a analista, "imprimiu medidas fiscais para conter a pandemia, por exemplo gastos adicionais em saúde, adiamento de impostos em certas importações, mas a resposta fiscal tem sido limitada pelos níveis muito elevados de dívida pública, acima dos 100 por cento do PIB, apesar do esforço das autoridades para manter a dívida num caminho sustentável".

Na entrevista à Lusa a propósito da situação económica em Angola, Helena Afonso salientou ainda que "a adesão do país à Iniciativa de Suspensão do Serviço da Dívida (DSSI) permitiu adiar o pagamento de dívida" e, além disso, o Fundo Monetário Internacional (FMI) também contribuiu.

"A quarta revisão do programa permitiu um novo desembolso de 487 milhões de dólares e isto será uma importante fonte de financiamento externo para ajudar o país a lidar com esta crise", concluiu a analista do UNDESA, que antevê uma redução da inflação de 23 por cento em 2020 para menos de 20 por cento este ano devido ao abrandamento na depreciação do kwanza.

Relacionado