Ver Angola

Economia

Economia de Angola caiu 6,5 por cento em 2020, diz consultora IHS Markit

A analista da consultora IHS Markit que segue Angola disse esta Segunda-feira à Lusa que o país deve ter registado uma contracção de 6,5 por cento do PIB em 2020, alertando que o kwanza deve continuar a depreciar-se.

:

"A IHS Markit desceu a previsão sobre a evolução da economia depois da queda de 40 por cento da actividade no sector da construção durante o segundo trimestre do ano passado, que contribuiu para que o PIB deva ter caído 6,5 por cento em 2020", disse Alisa Strobel em declarações à Lusa.

A confirmar-se a previsão, Angola terá registado o quinto ano consecutivo de crescimento económico negativo, com o Governo a estimar um crescimento económico nulo ou perto de zero em 2021, de acordo com a revisão do Orçamento do Estado aprovada em Dezembro na Assembleia Nacional.

Questionada sobre as previsões para Angola em 2021, a economista disse que "a moeda nacional deverá continuar a depreciar-se no primeiro semestre deste ano, a inflação deverá ficar mais alta e as taxas de juros mais elevadas, o que vai continuar a limitar o crescimento do rendimento disponível dos consumidores".

Isto, acrescentou, "vai levar a uma retoma do consumo privado mais fraca, o que vai abrandar a retoma económica em 2021".

Por outro lado, "uma recuperação modesta nos preços do petróleo será fundamental para estimular o crescimento, principalmente durante a segunda metade de 2021, com uma recuperação a produção e a exportação de crude, mas o desemprego continua notavelmente elevado, e a pobreza será prevalente na economia angolana a médio prazo".

Sobre o programa de privatizações das empresas públicas angolanas, a economista Alisa Strobel diz que isso "será positivo para a recuperação dos sectores dos serviços e da produção artesanal em 2022", mas alertou que o crescimento do serviço dos sectores já este ano revelará apenas uma recuperação parcial da queda do ano passado.

No curto prazo, as reformas na Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) e a privatização de vários activos não essenciais vão impulsionar receitas e crescimento, "mas apenas a médio prazo, e não a curto prazo", concluiu.