Preço para comprar euros e dólares nas ruas de Luanda em queda

O preço para comprar divisas nas ruas de Luanda está em queda, que no caso do euro chega aos oito por cento, no espaço de um mês.
Ampe Rogério:
    Ampe Rogério

Numa ronda feita por alguns dos bairros da capital, as kinguilas transaccionam um dólar a 390 kwanzas, uma descida de quase 5 por cento em menos de um mês.

A cotação no mercado informal mantinha-se praticamente inalterada desde meados de Fevereiro e a variação que agora ocorre contrasta ainda com os 475 kwanzas do final de Janeiro, o mesmo acontecendo com a moeda europeia.

No pico da crise cambial que afecta o país desde finais de 2014, cada nota de dólar chegou a ser transaccionada na rua a mais de 600 kwanzas, quase quatro vezes acima da taxa de câmbio oficial.

Na mesma ronda, a Lusa encontrou o euro a ser transaccionado na rua, igualmente em bairros como Maculusso, Mutamba ou São Paulo, em médio, a 440 kwanzas, neste caso uma queda de 8 por cento no espaço de um mês.

A falta de kwanzas no mercado é a explicação apontada para a manutenção prolongada da cotação do dólar e do euro, resultando na prática, devido à retirada de moeda de circulação física, numa valorização da moeda nacional.

Na prática, e apesar de continuar escassa a quantidade de divisas nos bancos, o preço no mercado paralelo não dispara, como aconteceu em anos anteriores.

A retirada de dinheiro de circulação física tem sido uma medida adoptada pelo Banco Nacional de Angola (BNA) para conter a escalada da cotação do euro e do dólar no mercado informal, alternativo, embora ilegal e a preços especulativos, para angolanos e expatriados que não conseguem comprar divisas aos balcões dos bancos, face à crise cambial.

Na cotação oficial, o kwanza angolano já acumulou uma perda de 35 por cento nos seis meses do regime flutuante cambial, em que as taxas de câmbio são formadas nos leilões de divisas.

Mais Lidas